object(mysqli_stmt)#3 (10) { ["affected_rows"]=> int(1) ["insert_id"]=> int(0) ["num_rows"]=> int(0) ["param_count"]=> int(1) ["field_count"]=> int(13) ["errno"]=> int(0) ["error"]=> string(0) "" ["error_list"]=> array(0) { } ["sqlstate"]=> string(5) "00000" ["id"]=> int(1) } Casa das Rosas
BUSCAR
Twitter
Twitter
Instagram
Facebook
 
NÚCLEO EDUCATIVO VISITAS EDUCATIVAS PROGRAMAÇÃO NOTÍCIAS MATERIAL DE APOIO
AO PROFESSOR
CONTATO

NOTÍCIAS

COMO FOI?: OFICINA DE CARTÃO MUDO.

 

 

 

 

 

O poema Cardiocriptograma (1996) de Augusto de Campos foi a primeira inspiração para esta atividade.

 

 

 

Diante deste poema inciamos uma conversa sobre o que vem a ser estes símbolos bem como o uso deles ao longo de nossa história. 
Chamados de pictogramas, tais símbolos representam um objeto ou um conceito através do desenho. Nota-se que ele pretende ter um entendimento fácil e rápido à respeito do assunto que ele trata. 

 

 

 

 

Os pictogramas como estão muito presentes nos espaços urbanos e públicos principalmente para atender pessoas falantes de qualquer língua. 

O cientista social Otto Neurath, pioneiro do design moderno foi um dos grandes idealizadores dos cripotograma.

Criado por Neurath no início do séx. XX, o ISOTYPE – International System of Typographic Picture Education (Sistema Internacional de Educação em Imagem Tipografia) tinha o objetivo de facilitar e ilustrar dados sócio economicos, como apresentado na imagem abaixo. 

 

O gráfico utiliza do ISOTYPE para contextualizar a nacionalidade da população em alguns países. 

 

 

No entanto Neurath afima que o ISOTYPE não substitui a linguagem verbal sendo, portanto, um recurso complementar ao texto: 

“Neurathconsiderava o ISOTYPE uma linguagem adicional. Para ele certas coisas não poderiam ser ditas apenas com palavras, com o auxílio da linguagem pictórica essas preposições poderiam ser configuradas com mais clareza” (CUNHA, 2008 apudTwyman, 1980). 

 

 

 

Otl Aicher foi outro grande nome para o design moderno ocidental no período pós guerra. A criação dos pictogramas dos Jogos Olímpicos de 1972 em Munique (Alemanha) foi comandada por ele.

 

 

 

Embora o cripograma busque ser compreendido por várias nacionalidades há sinalizações que fazem sentido em alguns lugares em função da cultura dos mesmos. 

 

Imagem acima intitulada Vodoo presente no Haiti. 

 

Na fotografia acima retrata os animais comuns conforme o habitat de cada um.

Abaixo placa com o criptograma contribui para o entendimento da placa escrita abaixo.

 

 

 

É notório que tais sinalizações se baseiam em padronizações das coisas e ações e é aí que mora a ideia de fácil compreensão. Contudo essa padronização pode ser questionada através de algumas intervenções.

 

 

 

 

Outras apropriações aos criptogramas fazem uma releitura lúdica destes símbolos. À exemplo disso temos Poptogramas  elaborados pelo designer brasileiro Daniel Motta. Neste trabalho Motta mistura pictogramas com elementos da cultura pop como bandas de música.

 

 

 

 

A Imagem acima provocou uma reflexão muito interessante. A maioria dos presentes indicou ter conhecimento sobre qual banda se referia à tal composição de pictogramas. No entanto, o menino David que participava da atividade afirmou: “eles estão fazendo ginástica”.  

Isso foi um claro exemplo de que os símbolos e, inclusive os pictogramas, são passível de outras interpretações quando eles não são familiares a todos e, portanto, não são referências para um só entendimento. Por outro lado, as imagens que são tidas por nós como convenções nos condiciona de tal forma que nos impede de acessar novas interpretações como fez David.

 

Acima a capa do álbum “Help” da banda inglesa The Beatles (copa do álbum “Help”). Quem desconhece a banda associa o poptograma acima à qualquer outra ideia.

 

Uma vez que a poesia concreta se apropria de signos visuais – ela fala da coisa e, ao mesmo tempo, ela é a representação visual desta coisa – fizemos um breve passeio por alguns exemplos.

 

 

Código (1973) – Augusto de Campos

 

 

Viva Vaia  (1972) – Augusto de Campos

 

 

Chave léxica (sem data) - Poema do Décio Pignatari
Triângulo apontado para esquerda = femêa
Triângulo apontado para direita = macho

 

Por fim, para provocar a elaboração dos chamados “Cartões Mudo” apresentamos a série “Mimimis”. Criada pelo do designer Murilo Martins em 2011, essas tirinhas mesclam a linguagem dos quadrinhos (balões de comunicação e quadros) e os pictogramas. Veja a sequencia abaixo: 

 

 

 

 

 

Visto tudo isso, chegamos à parte prática de nossa oficina.  Confira abaixo as produções mais diversas:

 

 

 

 

O livreto da Márcia Lila capirchou nas colagens. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Lucas falou de relacionamento atráves dos pictogramas e das colagens. Tudo a ver com a criação do Murilo Martins. 

 

 

 

 

 

 

 

 

O cartão do Pedro (fotos acima e abaixo), intitulado de "Complexo", trouxe uma reflexão poética sobre nossa existência. 

 

 

 

Abaixo, o cartão feito em conjunto por Márcia e Arnaldo, também teve o amor como tema. 

 

 

 

 

A novidade foi o efeito do coração em "pop up". 

 

 

 

 

Raquel (abaixo) fez um interessante jogo de criptogramas, atribuindo cores e símbolos para cada personagem. 

 

 

 

 

 

 

Abaixo, várias histórias criadas por David. 

 

 

 

 

 

 

Para a nossa supresa a oficina contou com um apoio a mais. Ao saberem da atividade Alessandra e ao Luiz Bermejo, proprietários da Design Papers, contactaram o Núcleo Educativo e doaram caixas de papéis das mais varidas cores e acabamentos. 

 

Referência Bibliográficas 

•Lima, Ricardo Cunha. (2008). "Otto Neurath e o legado do ISOTYPE" p. 36-48. São Paulo: InfoDesign.

http://isotyperevisited.org/ acessado em 04/12/2015

•Campos, Augusto.NãoPoemas. (2009). Perspectiva, São Paulo.

•Campos, Augusto. Teoria da Poesia Concreta (2006). Ateliê Editorial, São Paulo.

•Campos, Augusto. Viva Vaia. Poesia 1949 – 1979 (2001). Ateliê Editorial, São Paulo.

•Heitlinger, Paulo. Tipografia: origens, formas e uso das letras. Copyright © 2006 Paulo Heitlinger, ISBN 10 972-576-396-3 , ISBN 13 978-972-576-396-4, Depósito legal 248 958/06. Dinalivro. Lisboa, 2006.

•1000 signs. Taschen, 2009. ISBN  978-3-8356-1559-7 •

Martins, Murilo. Love Hurts,  2014, 3ª edição. Copyright © 2014. 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Pictograma acessado em 04/12/2015

http://murilomartins.tumblr.com/ acessado em 04/12/2015

https://www.facebook.com/lovehurtsHQ acessado em 04/12/2015

http://www.danielmotta.com.br/ acessado em 04/12/2015

http://www.poptogramas.com.br/#pop, acessado em 05/12/2015

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


CASA DAS ROSAS
ESPAÇO HAROLDO DE CAMPOS DE POESIA E LITERATURA
+55 (11) 3285.6986 | 3288.9447 contato@casadasrosas.org.br
Av. Paulista, 37 Bela Vista CEP 01311-902 São Paulo Brasil
HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DO MUSEU
Terça-feira a sábado, das 10 às 22h
Domingos e Feriados, das 10 às 18h.
(Passível de alteração, de acordo com a programação).
Governo do Estado de São Paulo
TRABALHE CONOSCO COMPRAS E CONTRATAÇÕES RELATÓRICO DE ATIVIDADES CONTRATO E GESTÃO SECRETARIA DA CULTURA OUVIDORIA