object(mysqli_stmt)#3 (10) { ["affected_rows"]=> int(1) ["insert_id"]=> int(0) ["num_rows"]=> int(0) ["param_count"]=> int(1) ["field_count"]=> int(13) ["errno"]=> int(0) ["error"]=> string(0) "" ["error_list"]=> array(0) { } ["sqlstate"]=> string(5) "00000" ["id"]=> int(1) } Casa das Rosas
BUSCAR
Twitter
Twitter
Instagram
Facebook
 
NÚCLEO EDUCATIVO VISITAS EDUCATIVAS PROGRAMAÇÃO NOTÍCIAS MATERIAL DE APOIO
AO PROFESSOR
CONTATO

NOTÍCIAS

Como foi?: Curso Caras da Casa

Quarta-feira, dia 27 de julho de 2016

 

Neste mês de julho contamos com mais uma edição do curso para estudantes, guias e agentes de turismo chamado As Caras da Casa. Em sua segunda edição, o curso que ocorreu em fevereiro no Centro de Formação e Pesquisa do Sesc – CPF – foi desta vez sediado na Casa das Rosas – espaço fortuito para discutirmos as relações entre as diversas áreas de coordenação que compõem o funcionamento do museu.

 

 

Baseado no mesmo conteúdo programático do curso realizado no Sesc, as abordagens voltaram-se às presentes formas e estratégias culturais e administrativas realizadas na Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura: museu dedicado à promoção do conhecimento, difusão e democratização da poesia e da literatura, incentivando a leitura e a criação artística, preservando e problematizando o patrimônio histórico-cultural que abriga, tanto os aspectos arquitetônicos quanto o Acervo Haroldo de Campos.

 

 

A Casa das Rosas está localizada na Av. Paulista, em um casarão projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo e construído em 1935. Foi residência até 1986, quando sofreu desapropriação pelo governo do Estado e, em 1991, foi reaberto como espaço cultural público com o nome de Casa das Rosas.  Pelo fato de passar a abrigar o Acervo Haroldo de Campos, com 20 mil livros e uma série de objetos pessoais de Haroldo de Campos, o centro cultural foi rebatizado em 2004 como Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura.

 

 

Contamos com a participação das demais áreas de atuação da Casa viabilizando e problematizando discussões em torno da política de atuação do Centro de Referência Haroldo de Campos e do Centro de Apoio ao Escritor, este coordenado por Júlio Mendonça e aquele por Reynaldo Damazio. Também contamos com as falas de Daniel Moreira, coordenador cultural e de Anelise Csapo, coordenadora do Núcleo Educativo da Casa das Rosas.

 

Ao final do curso os alunos tiveram contato com o Acervo Haroldo de Campos a partir de uma visita-técnica; essa complementou-se às demais visitas realizadas pelo espaço do museu com o foco de apresentar a história da Casa, seu projeto enquanto residência remanescente na Avenida Paulista e a política de atuação do Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura com gestão realizada por uma Organização Social a cargo de Carmem Beatriz de Paula Henrique.

 

Referências

 

ARANTES, Antônio Augusto. Documentos históricos, documentos de cultura. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, 22, p. 48-55,1987. 


CAVALCANTI, Lauro. Moderno e brasileiro – a história de uma nova linguagem na arquitetura (1930-1960). Rio de Janeiro: Zahar, 2006. 


CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: UNESP, 2001 


CHUVA, Mareia Regina Romeiro. Os arquitetos da memória: sociogênese das práticas de preservação do patrimônio cultural no Brasil (anos 1930-1940). Rio de Janeiro: Ed.UFRJ, 2009. 


FABRIS, Annateresa. Modernidade e vanguarda – o caso brasileiro. In: FABRIS, Annatersa (org). Modernidade e modernismo no Brasil. Campinas: Mercado de Letras, 1994. 


FONSECA, Maria Cecília Londres. O patrimônio em processo – trajetória da política federal de preservação no Brasil, 2a. ed. Rio de Janeiro: Ed.UFRJ, 2005. 


KERSTEN, Márcia Scholz de Andrade. Os rituais de tombamento e a escrita da História -bens tombados no Paraná entre 1938-1990. Curitiba: Editora UFPR, 2000. 


LEITE, Rogério Proença. Contra-usos da cidade – lugares e espaço público na experiência urbana contemporânea. Campinas: Ed.UNICAMP, 2004. 


MAGALHÃES, Aline Montenegro. Colecionando relíquias…Um estudo sobre a Inspetoria de Monumentos Nacionais (1934- 1937). Dissertação (Mestrado), UFRJ, Rio de Janeiro, 2004. 


MARINS, Paulo César Garcez. Do Luz cultural ao Monumenta – sobre a opção pela escala monumental na preservação de uma área de São Paulo. In: GAGLIARDI, Clarissa Rosa (org.)

Intervenções urbanas em centros históricos: casos da Itália e São Paulo em discussão. São Paulo: Educ, 2011. 


MARINS, Paulo César Garcez. Trajetórias de preservação do patrimônio cultural paulista. In: (SETÚBAL, M.A., coord.). Terra paulista: trajetórias contemporâneas. São Paulo: Cenpec; Imesp, 2008. p. 135-165. 


MELLO, Joana. Da arqueologia portuguesa à arquitetura brasileira. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, 44, set. 2006.

MELLO, Joana. Ricardo Severo – da arqueologia portuguesa à arquitetura brasileira. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2007. 


MICELI, Sérgio. Intelectuais a brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. 


MICELI, Sérgio. SPHAN: refrigério da cultura oficial. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, n. 22, 1987. 


PINHEIRO, Maria Lúcia Bressan. Neocolonial, modernismo e preservação do patrimônio no debate cultural dos anos 190 no Brasil. Tese de livre docência, FAU USP; São Paulo, 2005

 
RODRIGUES, Marly. Imagens do passado – a instituição do patrimônio em São Paulo, 1969-1987. São Paulo: Ed. Unesp; Imesp; Condephaat; Fapesp, 2000. 


RUBINO, Silvana. As fachadas da história – as origens, a criação e os trabalhos do SPHAN, 1936-1967. Dissertação (Mestrado), UNICAMP/IFCH/Antropologia Social, Campinas, 1992. 


SANTANNA, Márcia. Da cidade monumento à cidade documento – a trajetória da norma de preservação de áreas urbanas no Brasil (1937-1990). Dissertação (Mestrado), UFBA, Salvador, 1995.

 

 

 

 

 

 


CASA DAS ROSAS
ESPAÇO HAROLDO DE CAMPOS DE POESIA E LITERATURA
+55 (11) 3285.6986 | 3288.9447 contato@casadasrosas.org.br
Av. Paulista, 37 Bela Vista CEP 01311-902 São Paulo Brasil
HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DO MUSEU
Terça-feira a sábado, das 10 às 22h
Domingos e Feriados, das 10 às 18h.
(Passível de alteração, de acordo com a programação).
Governo do Estado de São Paulo
TRABALHE CONOSCO COMPRAS E CONTRATAÇÕES RELATÓRICO DE ATIVIDADES CONTRATO E GESTÃO SECRETARIA DA CULTURA OUVIDORIA